Copy
Um belga a frente da Estrada de Ferro Dom Pedro II

A Bélgica envolveu- se muito cedo na construção da infraestrutura ferroviária do Brasil, com a vinda do engenheiro Henri Vlemincx, que dirigiu o Serviço de Tráfego da Estrada de Ferro Dom Pedro II  de 1859 a 1865. 

Henri Désiré Albert Joseph Vlemincx nasceu em Charlerloi, Bélgica, em 16 de março de 1816. Optou pela carreira militar e estudou na escola militar em Bruxelas, obtendo o título de Primeiro Capitão do “Genie” e sendo inspetor de Estudos da Escola Militar. Em 1856 ele foi autorizado a trabalhar como engenheiro militar no Peru. Quando os distúrbios políticos estouraram naquele pais, ele foi forçado a voltar para a Bélgica. Logo depois, em 1858, ele solicitou três anos de licença para se colocar à disposição do governo brasileiro, a fim de cuidar da construção e da operação da Estrada de Ferro Dom Pedro II (EFDPII). O secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores apoiou este pedido, destacando que "A experiência mostra que esta é a melhor maneira da Bélgica receber encomendas de equipamentos... Seria, portanto, altamente desejável que o Sr. Vlemincx pudesse aceitar as propostas que lhe foram feitas”. 

O jornal "Correio Mercantil" noticiou sobre a sua chegada ao Rio de Janeiro em dezembro de 1859. A tarefa incumbida à Vlemincx foi a contabilidade do trafego, sua inspeção e fiscalização. Oito outros belgas foram empregados sob suas ordens, incluindo vários chefes de departamento. O livro "Brasil e Bélgica" informa que o inspetor geral Vlemincx "contribuiu para levar encomendas de material ferroviário para as metalúrgicas belgas". Infelizmente, faltam detalhes sobre estas encomendas.  A nossa pesquisa só revelou dois diferentes tipos de vagões de cargo fabricados na Bélgica, usados na EFDPII, mas com datas de construção depois dos anos da estadia de Vlemincx no Brasil.

No dia 24 de abril de 1865, Vlemincx voltou para a Bélgica. O engenheiro recebeu bastantes elogios pelo trabalho prestado. O "Jornal do Commercio" escreveu:
Estrangeiros como o Sr. Vlemincx são sempre bem-vindos: ao contrario da maior parte, ele via sempre em primeiro lugar o que havia de bom no Brasil, e ai detinha suas vistas, passando ligeiramente com a tolerância de um cavalheiro ilustrado e de fina educação, pelos defeitos inerentes a todas as comunhões humanas. ... sua lembrança pendurará gravada na memoria de todas aquelas pessoas que o tratarão de perto, que apreciarão suas eminentes qualidades...O Sr. Vlemincx não foi útil somente ao Brasil; promovendo os interesses da empresa, obteve também resultados vantajosos para seu país. Por proposta sua fizeram-se encomendas de material para a estrada de ferro, na importância de centenas de milhares de francos a diversas fabricas da Bélgica; e o resultado correspondeu à expetativa, sendo todos os fornecimentos da melhor qualidade e por preços razoáveis.
Ele foi honrado pelo imperador Pedro II com a Ordem da Rosa. 

Na Bélgica, ele retomou seu serviço ativo em 1º de outubro de 1866, como adjunto do comandante da cidade de Antuérpia. Quando se aposentou, colocou seus desenhos e notas de viagem em ordem, porque era também um artista amador. A Instituição Itaú Cultural, em São Paulo, possui, no seu acervo, um álbum com 64 desenhos sobre o Brasil. O Museu Real das Forças Armadas e da História Militar em Bruxelas tem, no arquivo Vlemincx, um álbum com recordações da estrada de ferro de Dom Pedro II, que contem 79 documentos, entre outros desenhos, fotos e mapas.

A velha ponte sobre o rio Parahyba perto da estação da Barra do Pirahy.
Vlemincx,, setembro de 1865

Ele morreu em Bas-Oha, província de Liège, a 13 de agosto de 1883, com 67 anos de idade.

Frete grátis dos livros Sabores e Ad. H. van Emelen

Nesses tempos que somos convidados a ficar mais tempo em casa, compre seu livro "Sabores belgas no Brasil" ou "Ad. H. van Emelen: A trajetória de um artista belga em São Paulo" com frete grátis.
Oferta só válida para compras no site
https://patrimoniobelga.lojavirtualnuvem.com.br/produtos/sabores-belgas-no-brasil/
https://patrimoniobelga.lojavirtualnuvem.com.br/produtos/livro-de-arte-ad-h-van-emelen/



Aproveite a leitura e teste as receitas! E siga os cuidados!

Apoie o mapeamento histórico e cultural da atuação das empresas belgas no Brasil

Empresas belgas deixaram e ainda deixam traços materiais de suas atividades e criatividade no Brasil. Referimos-nos, entre outros, à pontes, estradas de ferro, estações e material rodante ferroviário, ladrilhos e azulejos, vitrais e esculturas.

Um inventário dessa herança histórica está sendo criado e pode ser visto no site do Belgian Club Brasil em http://www.belgianclub.com.br. Novas descobertas estão constantemente sendo incluídas no site.
Esta iniciativa tem sido apoiada por trabalho voluntário como por exemplo traduções, edições de textos e fotografias, e patrocinadores. Estamos muito agradecidos à Barry Callebaut, nosso patrocinador atual. Gostaríamos muito de contarmos, em breve, com o nome e logotipo da sua empresa no site. Mais e detalhadas explicações sobre nossa política de patrocínio podem ser encontradas na página http://www.belgianclub.com.br/pt-br/patrocinador.
Leia Mais
Copyright © 2020 Patrimônio belga no Brasil, All rights reserved.


Deseja alterar a forma como você recebe esses e-mails?
Você pode atualizar sua inscrição ou cancelar a assinatura.


Email Marketing Powered by Mailchimp