Copy

Waffle de Bruxelas e de Liège, no Brasil

Poucas pessoas conseguem visitar a Bélgica sem provar o delicioso waffle de Bruxelas ou de Liège. A principal diferença entre esses dois waffles mais famosos está no formato, nos orifícios e ingredientes. Segundo a lenda, a origem do waffle de Liège remonta ao século XVIII quando o príncipe-bispo de Liège teria pedido ao cozinheiro algo saboroso e doce. Há muitos mais detalhes a saborear no livro “Sabores belgas no Brasil” a venda online na loja virtual patrimonio belga. 

Renomados artistas flamengos dos séculos XVI e XVII, como Pieter Bruegel, Rubens e van Dyck, reproduziram cenas com banquetes e alimentos. Um exemplo é este detalhe de uma grande pintura de Bruegel na exposição  O Mundo de Bruegel, no Museu de Bokrijk, na Bélgica.

Já em terras brasileiras, os belgas e brasileiros, estão adaptando os waffles ao paladar local, incluindo frutas e doces nacionais na cobertura e produzindo versões salgadas e com coberturas variadas como carbonades, frango, queijo e frios.

Algumas dicas que vão dar água na boca, assim como a leitura do livro:

Kendi de Boever nasceu na cidade de Gent e, como estudante de Letras, veio ao Brasil a primeira vez para intercâmbio universitário. A paixão acabou traçando novos rumos na vida e, dez anos depois, fala português com o mesmo sotaque paraibano do marido, Felipe Mazarolo, sócio na Waffle House, cafetaria belga em João Pessoa.

No restaurante do chef Lionel Sturnack Chez Vous (São Paulo), o waffle de Bruxelas, com calda de chocolate, lidera, sem concorrência, o pedido das sobremesas. Veja e saboreie com seus próprios olhos:

Waffle sobre rodas em São Paulo: estacionada em um shopping no bairro de Itaim Bibi, zona sul da capital paulistana, uma empresa inovou ao ofertar waffles, vendendo-os sobre rodas em um triciclo customizado, denominado Tuktuk Waf.

Sabor belga no litoral catarinense: Maria Helena Casemiro morou quinze anos na Bélgica, onde conheceu o waffle de Liège e se apaixonou por ele. Casada com o belga Marc Temmerman, retornou ao Brasil, decidida a iniciar a produção da iguaria aqui e, em 2012 criou o Sabor Belga.

E no Rio de Janeiro, Fabiana que é uma gaúcha apaixonada pelas terras cariocas, que também viveu na Bélgica, agora se dedica a produzir waffles. Seu contato é belga.info@gmail.com . Não deixe de provar com o creme de speculoos, doce muito típico da Bélgica, cuja história também se encontra no livro “Sabores belgas no Brasil”.

Após a publicação do livro, descobrimos mais um lugar, agora em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, que produz waffles, o Belga Brasil Bistrô Waffle. A brasileira Claudia Bratti nos contou que conviveu desde criança com o waffle dada a presença alemã na região, mas após pesquisar a origem, descobriu que era belga e, em 2018, abriu a waffleria, com diversas adaptações ao gosto brasileiro, recuperando a origem belga.

Então fazemos um convite aos nossos leitores para enviar notícias e fotos sobre outros lugares do Brasil que tem waffles com tradição belga. Elas serão publicadas no site do Patrimônio belga!

Compre já o livro “Sabores belgas no Brasil” que é também um ótimo presente de Natal!


www.patrimoniobelga.com.br\sabores
Twitter: @saboresbelgasnobrasil

Venha conhecer o livro do artista belga radicado em São Paulo
 

Marc Storms, coordenador do Patrimônio belga no Brasil, lançou recentemente “Ad. H. van Emelen: A trajetória de um artista belga em São Paulo”. Nele, revela a biografia do artista (1868 – 1943) e divulga suas obras mais significativas, produzidas tanto em seu país de origem quanto no Brasil.
Acesse gratuitamente o primeiro capítulo “Origens e influências”!  Acompanhe o relato sobre a cidade de nascimento do artista, a Lovaina no século XIX, as atividades do seu pai, também escultor, a formação de Adrien, a sua participação na vida artística belga e a sua família. A leitura está disponível em http://www.belgianclub.com.br/pt-br/livro_van_emelen

Para conhecer mais sobre a sua trajetória e ver as suas obras, o livro encontra-se à venda na loja online https://patrimoniobelga.lojavirtualnuvem.com.br.

Lei de Incentivo à Cultura 
Patrocínios: Impextraco, Katoen Natie, Parafix, Peróxidos Brasil e Rhodia Solvay Group
Parceria: Museu Paulista
Apoio: Consulado Geral da Bélgica no Brasil
Mais informações: http://www.patrimoniobelga.com.br/livro
 

Apoie o mapeamento histórico e cultural da atuação das empresas belgas no Brasil

Empresas belgas deixaram e ainda deixam traços materiais de suas atividades e criatividade no Brasil. Referimos-nos, entre outros, à pontes, estradas de ferro, estações e material rodante ferroviário, ladrilhos e azulejos, vitrais e esculturas.

Um inventário dessa herança histórica está sendo criado e pode ser visto no site do Belgian Club Brasil em http://www.belgianclub.com.br. Novas descobertas estão constantemente sendo incluídas no site.
Esta iniciativa tem sido apoiada por trabalho voluntário como por exemplo traduções, edições de textos e fotografias, e patrocinadores. Estamos muito agradecidos à Barry Callebaut, nosso patrocinador atual. Gostaríamos muito de contarmos, em breve, com o nome e logotipo da sua empresa no site. Mais e detalhadas explicações sobre nossa política de patrocínio podem ser encontradas na página http://www.belgianclub.com.br/pt-br/patrocinador.
Leia Mais
Copyright © 2019 Patrimônio belga no Brasil, All rights reserved.


Deseja alterar a forma como você recebe esses e-mails?
Você pode atualizar sua inscrição ou cancelar a assinatura.


Email Marketing Powered by Mailchimp